You are currently browsing the tag archive for the ‘Vaidade’ tag.

Uma das maiores dificuldades que o ser humano   enfrenta  é a obsessão, isto é, a influencia de Espíritos inferiores em nossas vidas, desde a mais simples obsessão até a subjugação. A subjugação é aquela que produz a paralização da vontade da vítima.

A fascinação é uma ilusão criada diretamente pelo Espírito,  no pensamento do médium. E o médium invigilante  não se considera enganado. Acha-se o melhor em tudo que se relaciona com a Doutrina Espírita. Os Espíritos que se aproximam dele são superiores, sente-se o melhor palestrante, acredita que conhece todas as verdades. E o efeito é muito grave pois todos percebem que está sendo vítima da mistificação, porém  ele não aceita nenhum tipo de ajuda.

Normalmente é bastante popular, tem uma linguagem empolgada, cheia termos técnicos,  inteligente, fala de caridade de amor, porém sempre impõe sua vontade e vivem cercados de pessoas crédulas, que não conseguem enxergar a verdade. Quando suas sugestões não são aceitas, mostra-se contrariado mas coloca-se como incompreendido.

Reverter o quadro não é fácil pois essa pessoas não querem nenhum tipo de ajuda,   não percebem seus defeitos, apenas vê a inveja que os outros nutrem por elas. O que realmente precisamos fazer é nos precaver desse tipo de obsessão através da vigilância; ¨Orai e Vigiai¨ são ensinamentos do nosso Mestre Jesus.

Observemos os elogios que nos fazem, não permitindo que a vaidade possa tomar conta do nosso coração. Evitemos sermos elogiado,  mas trabalhemos como um bom Espírita, Amando,  Estudando, e vivendo o Evangelho de Jesus. Só assim poderemos afastar os Espíritos  que podem nos fascinar. 

Muita Paz

Segundo o dicionário do Aurélio, vício significa qualquer  ¨Costume prejudicial ”  entre os vícios mais nocivos estão o alcoolismo, tabagismo e o uso de drogas em geral. Esses vícios que levam o ser humano  a uma dependência difícil de ser superada.  ¨Difícil¨ mas  não impossível. Os mais perigosos são os vícios que podem levar a criatura  à privação de sentidos , transformando-a em um ser violento e que normalmente nos momentos de lucidez, vem a angústia, a depressão e o arrependimento .

 

Vigorexia

Mas independente dos vícios que denigrem o ser humano diante da sociedade, temos os vícios dos valores que nos obrigam a viver artificialmente.  Isso vale para homens mulheres. O culto exagerado ao corpo, onde muitos passam horas dentro de uma academia de ginástica, muito mais tempo do que seria saudável¨ sem orientação médica. Dietas exageradas onde pessoas passam fome, para manter corpos de modelo, cirurgias para manter a juventude, tatuagens, piercinngs, no nariz, nas pálpebras, orelha, umbigo e até em outras partes do corpo, que segundo a espiritualidade é uma auto agressão ao organismo carnal,  que na realidade  não nos pertence,  nos foi emprestado para passarmos algum tempo aqui na terra.

Somos dependentes da TV, do computador, do celular. Somos escravos do status, que determina como devemos morar, andar, vestir, comer. Com tantos vícios aqui no nosso planeta, chegamos ao mundo espiritual  de mãos vazias. Ninguém deve descuidar do seu corpo, da sua aparencia, o que deve nos preocupar é o exagero.

Voltamos à terra com o próposito de elevarmos  a nossa condição espiritual. Vamos reservar um tempo para nossa família, para o exercício da caridade, para a leitura edificante, para levar a palavra do Nosso Mestre Jesus aos que não tiveram oportunidade de ouví-la. E   ¨Fazer ao nosso semelhante  o bem que gostaríamos de recebermos deles¨

 

¨Exercícios físicos exagerados

Muita Paz

Um homem possuia uma grande Vinha. Um dia,  saiu de casa bem cedo para procurar novos trabalhadores para seu vinhedo. Chegando à praça da cidade, perto da sua casa, encontrou alguns homens sem emprego. Combinou com eles o salário daquele tempo, que era um denário por dia. Os operários satisfeitos, aceitaram imediatamente o convite e, por ordem do proprietário, seguiram para o trabalho na vinha.

 

As nove horas da manhã, o vinhateiro voltou à praça, onde havia sempre, pessoas que procuravam serviço. Encontrou mais alguns homens desempregados e disse-lhes : – Ide também trabalhar na minha vinha. Eu vos pagarei o que for justo. E os trabalhadores seguiram para o campo e começaram sua tarefa. Ao meio dia, e depois às três horas da tarde, o vinhateiro voltou à mesma  praça e fez o mesmo, contratando novos trabalhadores.

As cinco horas da tarde, pela última vez nesse dia, esteve no mesmo local, onde encontrou igualmente alguns homens sem serviço. – Perguntou-lhes então:  – Por que estais aqui, o dia inteiro, desocupados? E os homens responderam:

_ Senhor, aqui estamos porque ninguém contratou nossos serviços até agora.

Responeu o vinhateiro:

– Ide também vós trabalhar na minha vinha. Ao anoitecer o senhor da vinha chamou o administrador e disse-lhe que fizesse o pagamento do salário aos trabalhadores. Os operários recebiam por cada dia trabahado , era chamado jornal e eles eram  chamados também de jornaleiros. Começa a pagar pelos últimos, ordenou o vinhateiro.

Foram chamados os que começaram cinco horas e só trabalharam uma hora e receberam um denário. E assim os outros que começaram as três horas da tarde e ao meio dia. Todos receberam um denário.  Por fim chegaram os que começaram bem cedo, pensaram que iriam receber mais, pois viram que os trabalhadores da última hora receberam um denário. O administrador pagou, igualmente aos primeiros, um denário.

Então eles começaram a reclamar contra o senhor da vinha, alegando, que os últimos,  trabalharam menos e eles aguentaram o peso do dia e o calor sufocante,  mereciam mais. O proprietário disse ao que mais reclamava:

– Meu amigo não te faço injustiça não combinaste comigo o jornal  de um denário? Recebe pois o que te pertence. Eu quero dar aos últimos tanto quanto dei a ti, Não achas que tenho o direito  de fazer o que me agrada, daquilo que me perence?

Porque sentes ciúme e inveja? Não tenho por acaso o direito de ser bondoso?

Jesus termina a parábola dizendo: ¨Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. ¨

De inicio parece que os operários queixosos tinham razão de reclamar, pois eles trabalharam mais tempo, e os últimos apenas uma hora de serviço. Esse é o raciocinio humano, só ver o lado exterior das coisas. Mas eles não tinham o direito de reclamar pois receberam o combinado. E os homens continuaram na praça esperando para trabalhar, não estavam ociosos, apenas não foram chamados, e ali esperavam.

Mas não houve nenhuma injustiça por parte do vinhateiro,  Além disso  ele viu o serviço, feito pelos trabalhadores da última hora, foi feito com mais qualidade. A nossa recompensa no reino de Deus não será dada a quem trabalhou mais.  Deus nos julgará pela qualidade do serviço que praticarmos aqui na terra, pela sinceridade dos nossos atos. Exemplo: Não será mais importante quem der uma  grande quantia para a caridade , E sim pela dedicação, pelo amor que dedicarmos ao próximo. 

Muita Paz

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Agosto 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores