You are currently browsing the tag archive for the ‘Poesia’ tag.

 A minha avó guardava ,

com alegria,

muitos pratos, lindíssimos,de louça

que ganhou de presente,

quando moça.

e que esperava usar – quem sabe? – um dia

Mas a vida passando tão insossa

e nada de importante acontecia

e ninguém pra jantar aparecia

que compensasse abrir

o guarda-louça.

Vovó morreu. Dos pratos coloridos

que hoje estão quebrados e perdidos

ela jamais usou sequer um.

Assim também meus sonhos,

tão guardados,

terão, por nunca serem realizados.

o mesmo fim dos pratos de vovó.

                                                                              Antonio Roberto Fernandes

Não deixai os seus sonhos guardados nas prateleiras de vossa alma. Lá eles ficaram esquecidos, abandonados cheios de poeira e lá também envelhecerão com o passar do tempo.

Assim sendo,  eis aqui um breve conselho: Viva os seus sonhos e as suas aspirações com todo o fervor do coração, festeje, compartilhe alegrias, construa conquistas. Viva! deixe aflorar o que há de mais latente e importante na vida – a felicidade sonhada e concretizada.

Anúncios

¨Minh”alma é triste até a morte ¨… Doce

Jesus falou… E o Nazareno Santo

chorava, como se su” alma fosse

Um mar imenso de amargura e pranto

 

Depois, silencioso, ele afastou-se

E foi rezar no mais sombrio canto.

Seu grande olhar formoso iluminou-se

Fitando o etéreo estrelejado manto.

 

¨Pai, tem piedade…¨E sua voz plangente

Tremia, enquanto pelas trevas mudas

Baixava manso o triste olhar dolente.

 

Pobre Jesus! Como um sonho via

Em cada sombra a traição de Judas

Em cada estrela os olhos de Maria!

 

                                                                                                 Auta de Souza   (encarnada)  

Onde está Deus? – Perguntou o cientista.
Ninguém o viu jamais. Quem é ele?
Responde às pressas o materialista:
– Deus é somente uma invenção da Fé…
O pensador dirá sensatamente:
– Não vejo Deus, mas sinto que ele existe,
a Natureza mostra claramente.
onde o poder do criador consiste!
Mas o poeta dirá, com a segurança
de quem afirma porque tem certeza:
– Eu vejo Deus no riso da criança,
no céu, no mar, na luz da Natureza!…

Contemplo Deus, brilhando nas estrelas,
no olhar das mães fitando os filhos seus;
nas noites de luar claras e belas,
em tudo pulsa o coração de Deus!…
Eu vejo Deus nas flores e nos prados,
nos astros a olhar pelo infinito,
escuto Deus na voz dos namorados,
e sinto Deus na lágrima do aflito…
Percebo Deus na frase que perdoa,
contemplo Deus na mão que acaricia,
encontro Deus na criatura boa
e sinto Deus na paz e na alegria!…

Eu vejo Deus no médico salvando,
pressinto Deus na dor que nos irmana,
descubro Deus no sábio procurando
compreender a natureza humana…
Eu vejo Deus no gesto de bondade,
escuto Deus nos cânticos do crente,
percebo Deus, no sol, na liberdade
e vejo Deus na planta e na semente…

Eu vejo Deus enfim por toda a parte,
que tudo fala dos poderes seus,
descubro Deus nas expressões da Arte,
no amor dos homens também sinto Deus!…
Mas onde eu sinto Deus com mais beleza,
na sua mais sublime vibração,
não é no coração da Natureza…
É dentro do meu próprio coração!

 

(ONDE ESTÁ DEUS – JOSÉ SOARES CARDOSO)

Quem escreve no mundo

É como quem semeia

Sobre o solo fecundo.

 

A inteligência brilha sempre cheia

De possibilidades infinitas.

 

Plantas

Uma idéia qualquer onde te agitas,

Seja essa pecadora ou santa,

E vê-la-ás, a todos extensiva,

Multiplicar-se, milagrosa e viva.

 

Sem tanger as feridas e as arestas,

Conduze com cuidado

Bondade, A pena pequenina em que te manifestas!

Foge à volúpia das maldades nuas,

Não condenes, não firas, não destrua…

 

Porque o verbo falado

muita vez é disperso

 

Pelo vento que flui da Fonte do Universo.

Mas, a palavra escrita

Guarda a força infinita

Que traz resposta a toda sementeira,

Em frutos  de beleza e de alegria

Ou de mágoa sombria

Para os caminhos de uma vida inteira.

 

Carmen Cinira.

O caminho do Evangelho

No rumo da Divina Luz,

Começa na Manjedoura

E vai ao topo da Cruz.

Não te doam neste mundo

As lágrimas de aflição,

Que o pranto lava os Caminhos

Traçados no coração.

Perdoa a mão criminosa

Que te fere e faz chorar

Pois alguém vela por ti

Nas Luzes do Eterno Lar.

Há muitas sendas na Terra,

No roteiro da ilusão,

Mas a estrada com Jesus

É santa renovação.

Agradece à Providência

O tempo vestido em flor

E louva o Senhor da vida

Nos dias de tua dor.

Nem todo o dia no mundo

Será de júbilo e mel,

Mas se buscas Jesus Cristo

Segue sempre e sê fiel.

Lembra-te irmão, no caminho,

Que o discípulo de escol

É aquele que, meio as sombras,

Revela o Divino Sol.

Se queres subir ao Alto

Toma zelo em não cair,

Constrói nas lutas de agora

As belezas do porvir.

Se  desejas a vitória

No combate contra o mal,

Vive, amigo, desde hoje,

A vida espiritual.

Aos grandes homens do mundo

Podemos  admirar,

Mas somente a Jesus Cristo

Devemos acompanhar.

Casimiro Cunha in Coletânea do Além, psicografado por Chico Xavier

Além da morte, além da sepultura,

Onde a ciência encontra a paz do nada,

Começa a luminosa e longa estrada

Que reconduz  à vida eterna e pura.

Na carne é o pesadelo, a noite escura,

A fantasia e a luz abandonada.

Na alma  liberta a santa  madrugada

Na alegria de nova semeadura.

Oh! viajores, no inverno dos caminhos.

Aves cansadas dos terrestres ninhos,

Vencei as dores para bendizê-las…

Aguardai a Divina primavera,

Que outra vida mais alta vos espera

Entre as rotas sublimes das estrelas!

                                            Antero de Quental

Chico Xavier pede licença

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Dezembro 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores