You are currently browsing the tag archive for the ‘Mentira’ tag.

Todos fomos criados simples e ignorantes como é explicado  em ¨ O Livro dos Espíritos ¨ nas perguntas 133 e 804.  Porém a medida que evoluimos percebemos o certo e errado e começa então a nossa trajetória para a evolução. E de encarnação em encarnação vamos evoluindo, resgatando nossos débitos, e  procurando o caminho certo.

Usando o nosso livre arbitrio muitas vezes usamos a mentira para sobreviver, e  com essa conduta,  adquirimos  sofrimentos para essa existência e  débitos para as futuras. Chega um momento que entendemos  que mentir não traz a felicidade almejada, e que  realmente precisamos corrigir os nossos defeitos . Só  que   ninguém deve condenar-se pelo passado alimentando complexos de culpa.

Compreendemos que  erramos. que  mentimos muito, que  agimos como crianças  que caem e  levantam antes de realmente aprenderem   a andar.  ¨Assim como uma gota  de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor  que seja , estraga toda a nossa vida ¨  – Gandhi.

Se aceitarmos nos nossos corações esse axioma, começaremos a trabalhar para o nosso engradecimento, praticando a lei do amor , da justiça e da caridade. Não precisamos da mentira para sermos aceitos, para sermos amados e respeitados, devemos  agir com a verdade em todos os momentos da nossa vida.

O caminho é começarmos a realizar a nossa reforma íntima para sermos aceito, como realmente somos, sem usar artifícios para sermos amados. Sejamos verdadeiros sempre usando o Sim! Sim! e o Não! Não! Assim não precisaremos mentir na ilusão de sermos amados.

Muita Paz

Anúncios

Um homem tinha dois filhos. Ambos viviam com seu pai numa vinha que pertencia a família.

Um dia, pela manhã, o pai chamou o rapaz mais velho e disse-lhe:

– Meu filho, hoje não irás ao mercado da vila. Já fiz todas compras necessárias. Vais trabalhar na vinha.

O jovem respondeu a seu pai:

– Sim, meu pai, já vou.  A verdade,  porém, é que prometeu, mas não foi. Desejaria ir ao mercado, mas não trabalhar na vinha, colhendo cachos e mais cachos de uvas. Ficou intimamente aborrecido com a ordem do pai, mas, não quis desrespeitá-lo com palavras. E pensou consigo mesmo: ¨Desejaria tanto ir ao mercado hoje …Lá me encontraria com Joel e Davi… E meu pai me mandou catar bagos na vinha…Não, não vou mesmo…

E não foi. Na mesma hora,  o pai chamou o filho caçula, que era o desobediente da casa. Muito rebelde, era considerado pelos vizinhos ¨um rebelde¨, o oposto do irmão.

O pai chamou-o,  também, e disse-lhe:

– Meu filho, não terás que acompanhar teu irmão ao mercado hoje. Já chegaram as compras que fiz. Vai trabalhar na vinha. O rapaz, que era muito impulsivo, respondeu com muita aspereza ao pai:

– Eu, não… Não quero trabalhar na vinha… E correu. Entrando em seu quarto, instantes depois,  arrependeu-se das palavras brutas que disse ao pai, voltou e pediu perdão. E foi, com a consciência tranquila, colher os cachos de uva na videira de seu pai.

Jesus contou esta Parábola, em Jeresulém, aos sacerdotes que duvidavam da sua missão e que não se arrependeram com a pregação de João Batista. E Jesus pergunta, ao terminar a parábola:

– Qual dos dois filhos fez a vontade do pai?

– O segundo.

E Jesus lhes disse:- Em verdade vos digo, que os publicanos que roubam e as mulheres  que pecam entrarão  no reino de Deus antes de vós.  Porque João veio, exemplificando a justiça  e a vontade de Deus, e os pecadores o ouviram e se arrependeram  de seus pecados, começando uma vida nova. Mas, vós, que também ouvistes João, não vos arrependeste nem crestes nele.

O filho mais velho era educado, atencioso,  de finas maneiras, era considerado por todos um modelo de perfeição, não magoava ninguém com palavras. Intimamente  era egoísta, só fazia o que desejava, não respeitava ninguém. Era um rebelde invisível.

O filho caçula, era muitas vezes áspero, mas era autêntico, não era mau nem revoltado. Errava, pedia desculpas e consertava seus erros.

No caminho da nossa evolução espiritual, devemos proceder como o segundo rapaz, de nada nos adianta, manter uma aparência educada, gentil, cristã, mas interiormente somos  pessoas egoístas.

 O segundo rapaz é verdadeiro, sincero, tem defeitos, sujeito a várias reações, mas reconhece seus erros, e tenta consertá-los, avançando assim aos poucos na sua escala evolutiva.   

Muita Paz

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Novembro 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores