You are currently browsing the tag archive for the ‘justiça’ tag.

No dia 25 de novembro comemora-se o dia da Não violência contra a mulher. Essa data foi criada em 1981, na Colômbia, para homenagear  3 irmãs mortas violentamente ao desafiarem o governo. Essa data foi aceita pela ONU em 1999. Esse movimento teve como finalidade sensibilizar os governantes contra essa violência.

Porém as mulheres continuam sendo vítimas de violências domésticas, assistem seus pais agredindo suas mães e a elas também,  e  depois continuam sendo agredidas pelo seu companheiro, que se sentem no direito de maltratar fisicamente e moralmente,  sua mulher, somando-se a violência sexual, que na maioria das vezes acontece dentro da sua própria casa.

A sociedade convenientemente fecha os olhos  a essa situação, não querendo se envolver com estes fatos, e a mulher agredida,  normalmente tem medo de denunciar, pois sabe que pouco ou quase nada acontece ao agressor. Nos anos 70, quando uma mulher traia seu marido e este a matava, a justiça terminava por colocá-lo em liberdade, alegando que ele cometeu este ato em ¨legitima defesa da honra¨ , e muitos crimes contra as mulheres foram justificados .

Basta observar os números alarmantes de violência contra a mulher que ainda ocorre hoje, agressões, estupros conjugais, prisões domiciliares, sem que os culpados sejam punidos corretamente. Assistimos nos filmes,e programas de televisão, a banalização da violência à mulher. E pior, muita gente ainda concorda com o que assiste,  principalmente quando esta mulher é colocado como vilã, muitas mulheres que assistem essa programação aprovam.

Mulher

 

Para o Espiritismo que compreende a lei de ação e reação, justificando que o que plantamos ontem colhemos hoje, e que o verdugo de ontem é a vítima de amanhã.  Não pode aceitar os atos de violência dos seres humanos.  Mesmo que tenhamos sido vítimas no passado, NÃO  justifica ser o agressor no presente. O mau que recebemos Não nos dá o direito de pagar na mesma moeda.

Jesus nos dá um exemplo de não violência contra a mulher, quando os Escribas e Fariseus levaram para a praça uma mulher adultera, para que fosse apedrejada,  como era a lei da época. E ao pedirem a opinião de Jesus,  o Mestre apenas respondeu:

¨Quem estiver sem pecado atire a primeira pedra¨ As mulheres sempre tiveram um papel importante na terra, não vieram apenas para procriar e servir ao homem, elas possuem a sensibilidade que muitos homens desconhecem.  Todos os  seres são iguais diante do Criador, e precisamos alcançar também essa posição neste mundo de provas e expiações.

Apesar de já existir várias delegacias no atendimento à mulher agredida, ainda falta a atuação verdadeira da lei,   para  que essa mulher seja amparada, para que possa refazer sua vida. Existem projetos para auxiliá-las, mas falta apoio emocional,  para que essa mulher possa caminhar com seus próprios pés, pela vida, sem medo do seu agressor.

Ainda estamos muito atrasados espiritualmente.  Presisamos trabalhar hoje, para que no futuro esse mau, seja corrigido. E  trabalharmos na  educação dos nossos filhos. Pedindo forças a Deus,  para que o nosso   lar fique distante da violência. Incluirmos à educação das nossas crianças,  a Evangelização, os ensinamentos de Jesus. O  ensinamento religioso ajudará a criar uma futura geração mais saudável, se ensinarmos aos nossos filhos o Evangelho de Jesus, pois este ensina o amor, o perdão e o respeito entre os seres humanos. Não importa a religião, Espírita, Católica , Evangélica etc… O importante é que essa criança participe da religião dos seus pais, para que possamos ter amanhã um mundo mais livre da violência.

Muita Paz

Anúncios

Havia, numa cidade da Palestina, juiz que não respeitava nem Deus nem os homens. Ele zombava de tudo  que se referia  a Deus. Declarava-se ateu e não respeitava a crença alheia. Era também injusto com seus julgamentos. Não procedia corretamente no tribunal nem no seu lar. O juiz não atendia a ninguém. No seu trabalho agia sempre com indelicadeza e má vontade. A resposta desse juiz para todos quase sempre era ¨não¨.

Vivia também nessa cidade uma pobre viúva muito doente e tinha dois filhos  menores, que haviam nascidos defeituosos. Seu marido morto em um acidente, lhe havia deixado uma pequena casa e uma propriedade numa aldeia próxima. Infelizmente o sócio do seu marido era um homem desonesto . E agora vendo a mulher doente, tendo que cuidar dos filhos enfermos, não poderia dirigir a propriedade, o sócio tomou conta das terras, dizendo a todos que comprara aquela propriedade da viúva.

A mulher pediu  ao antigo amigo do seu marido  que não lhe tirasse  aquele pedaço de terra, pois era a única fonte de sobrevivencia para ela e seus filhos. Mas o homem não atendeu ao seu pedido. A viúva resolveu então apelar para o juiz. Mas todos lhe diziam que seria inútil, porque ele não atendia a pessoas pobres. Ela não desanimou e foi a casa do magistrado. Um servo lhe informou que ele não estava em casa, não era verdade, pois ela o vira  á sombra de uma videira.

Humilhada voltou para casa. Mas não desistiu no dia seguinte ela voltou à casa do juiz, que outra vez mandou dizer que não estava em casa. Voltou muitas vezes e nunca conseguiu ser recebida, até que um dia conseguiu encontrá-lo no tribunal, não perdeu a oprtunidade e foi logo lhe dizendo:

– Senhor juiz, faze-me justiça , pois o sócio do meu falecido marido, se apossou  de minha propriedade, e que é o unico sustendo  de meus filhos. Defende-me do meu adversário.. O juiz pego de surpresa prometeu que ia resolver a questão, mas nada fez. E ela o procurou muitas vezes, sempre rogando que lhe fizesse justiça.

O magistrado estava aborrecido com aquelas constantes visitas da viúva, em casa ou no tribunal todos os dias ela o procurava e fazia o mesmo pedido. Por fim ele pensou: Não temo a Deus nem a nenhum homem, mas essa viúva não me dá sossego, eu não me incomodo com seus problemas. Mas para livrar-me dessa mulher, vou atender o que me pede. Mandou um oficial buscar o homem desonesto. Verificou conforme a viúva pediu, e devolveu a propriedade à mulher que ficou feliz pois a justiça tinha sido feita.

Jesus contou essa parábola, ensinando que é importante ¨orar sempre, sem nunca desanimar ¨. Tudo que suplicarmos a Deus, se for justo seremos atendidos. Uma alma digna só pede a Deus o que é justo.

Existe uma lei do mérito funcionando aqui na terra e na eternidade. Se merecermos receberemos sempre. Procuremos para nosso bem, merecer, aceitando sempre  a vontade de Deus hoje e sempre.

Muita Paz 

 

Se já podes sentir a felicidade de auxiliar, imagina-te no lugar de quem pede.

Provavelmente jamais precisaste recorrer à mesa do próximo, para alimentar um filho estremecido e nem saibas quanto dói a inquietação, nas salas de longa espera, quando se trata de mendigar singelo favor.

Quantos nos dirigem o olhar molhado, suplicando socorro, são nossos irmãos.

Talvez nunca examinaste os prodigios de resistência dos pequeninos sem prato certo que te abordam na rua e nunca mediste a solidão dos que atravessam moléstia grave, sem braço amigo que os assista no sofrimento, a se arrastarem nas vias públicas, na expectativa de encontrarem alguém que lhes estenda leve apoio contra o assédio da morte.

Muitos dizem que há entre eles viciações e mentiras, que nos compete evitar  em louvor da justiça e ninguém pode contrariar a justiça, chamada a reger a ordem.

Será justo, no entanto, verificar até que ponto somos culpados pelos desesperos que os fizeram cair em semelhantes desequilibrios e até onde somos também passív eis de censura por falta equivalente.

Deus nos dá para que aprendamos também a distribuir,.

Assegura a disciplina, mas lembra-te que o Senhor te agradece a bagatela de bondade que possas entregar, em favor dos que sofrem, e a palavra de reconforto que graves no coração torturado que te pede esperança.

Trabalha contra o mal, no entanto recorda as leis da vida assinalam a alegria da criança desditosa a quem deste um sinal de bondade e respondem às orações  do velhinho que te escolhe os testemunhos de afeto, exclamando; ¨Deus te abençoe ¨

A caridade em cada gesto e em cada frase acende o clarão de uma benção. Será talvez por isso que a Sabedoria Divina ergueu o cerébro, acima do tronco, por almenara de luz, como a dizer-nos  que ninguém deve agir sem pensar,  mas, entre a cabeça que reflete e as mãos que auxiliam, situou o coração por estrela de amor, fulgurando o meio.

                                                                                     Emmanuel                                                                                                        

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Dezembro 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores