You are currently browsing the tag archive for the ‘Felicidade’ tag.

Lágrimas são emoções materializadas. São o excesso de energias acumuladas que precisamos exteriorizar. Nem sempre as lágrimas são demonstração de sofrimento podem ser também expressões de felicidade. Muito comum vermos lágrimas nos olhos de uma mãe feliz diante do desenvolvimento de seu filho, lágrimas nos olhos de seres apaixonados, lágrimas diante de um reencontro com um amigo querido.

 

Há lágrimas que demonstram  o desequilibrio, são lágrimas de inveja, de revolta, de medo ou de angústia. Porém há lágrimas de hipocrisia que fraudam a emoção com o intuito de prejudicar o semelhante, essas lágrimas são das pessoas que ainda não aprenderam que há hora de plantar e colher, ainda buscam demonstrar emoção diante da devassidão.

Lágrimas quando sinceras são demontrações de amor,  emoções materializadas,  seja de felicidade ou tristeza é a demonstração do amor incondicional para si mesmas e com os outros, as lágrimas tem o poder da aproximação e  da recuperação dos seres. 

Façamos um mergulho interior para que possamos analisar as nossas lágrimas  o que deu origem a essa emoção. Para que elas possam nos levar ao encontro da paz, do amor, da caridade e do perdão.

Muita Paz

 Karl Pillemer, professor de desenvolvimento humano da Cornell University, resolveu dedicar seu suor à busca de aprendizados que tornassem nossa jornada por esse mundão um tanto mais simples e agradável. Seu novo livro, “30 Lessons for Living”, é uma compilação de mais de 1.000 entrevistas realizadas com idosos de diferentes níveis econômicos e educacionais, destinadas ao objetivo de oferecer (a quem ainda resta tempo para agir diferente) conselhos práticos baseados no que estes fizeram de certo ou errado em suas vidas.

 A cobertura do estudo, realizada pelo New York Times, inclui uma galeriaque reúne depoimentos em vídeo, onde é possível assistir aos idosos destilando suas preciosas sabedorias. Para quem ficou curioso, aqui vai um breve resumo: O que os idosos dizem sobre: carreira – dentre os 1.000 entrevistados, nenhum (eu disse nenhum) considerou que a felicidade estaria associada ao trabalho excessivo que rendesse dinheiro suficiente para comprar o que quer que fosse.

 Segundo um ex-atleta profissional de 83 anos, “o mais importante é ter um emprego que constantemente te faça ficar ansioso para trabalhar no dia seguinte”. Outra dica importante é resistir à armadilha de ascender profissionalmente a partir de um cargo que, apesar de mais lucrativo, te afaste de fazer o que você realmente ama.

 casamento – ainda de acordo com o estudo, obter um casamento satisfatório, destes que se estendem por toda uma vida, estaria associado à capacidade que o casal desenvolve de contornar suas dificuldades através do diálogo, bem como de saber ceder quando é preciso. Apesar do envolvimento romântico ser o principal fator para aproximar pessoas, o que as mantém juntas por muito tempo é, sobretudo, o respeito mútuo e o sentimento de amizade.

 paternidade – é preciso tomar cuidado para que as demandas do mundo atual e os objetivos profissionais impactem negativamente a vida dos pequenos. Aprenda a passar tempo com eles, dizem os idosos, fazendo o que gostam, e não o que você julga ser o mais adequado. Esta seria a receita para detectar possíveis problemas e disseminar valores sólidos. Disciplina é importante, mas castigos físicos dificilmente geram qualquer benefício. envelhecimento – “Ao invés de rechaçá-lo, o abrace.

Envelhecer é tanto uma atitude quanto um processo”, disse uma mulher de 80 anos. Um conselho dos idosos abordados na pesquisa: “Não gaste sua juventude se preocupando em tornar-se velho”. Para a maioria dos entrevistados, cada década e cada idade trazem oportunidades inéditas, sendo que o mais importante é manter-se aberto para contatos sociais e sempre estar disposto a aprender algo novo. Sobre o tema, uma senhora de 92 anos declarou: “acho que sou mais feliz agora do que em qualquer outro momento da minha vida. Coisas que sempre me preocuparam deixaram de ser importantes, ou se tornaram menos importantes”.

arrependimentos – “Seja sempre honesto”, é o conselho dos idosos para evitar remorsos dolorosos e duradouros. Tire proveito das oportunidades e aceite todos os desafios que a vida puser em seu caminho. E viaje sempre, o máximo que puder, sem deixar para fazê-lo apenas quando tiver uma melhor condição financeira, filhos crescidos ou maior estabilidade profissional.

Na visão dos entrevistados, viajar é tão recompensante que deveria ser priorizado em função das coisas em que os jovens normalmente costumam preferir comprometer seus orçamentos. A dica é fazer uma lista dos destinos dos sonhos e ir os riscando a medida em que as viagens forem se concretizando. felicidade – quanto a este aspecto específico, talvez o mais importante entre todos os pesquisados, a abordagem aos idosos participantes do estudo apontou uma conclusão praticamente unânime, sintetizada nas palavras de uma senhora de 75 anos: “você não tem qualquer influência sobre as coisas que te acontecem ao longo da vida, mas pode ter controle absoluto sobre a forma de reagir a elas”.

Ser feliz, portanto, seria uma escolha consciente. Em sua opinião, os velhinhos têm ou não razão? Melhor ainda: há alguma lição que você já aprendeu e não está na lista? Se este é o caso, então divida com a gente! Parte inferior do formulário.

Poderemos  acrescentar nos nossos corações a fé e o amor ao nosso próximo. Os ensinamentos de Jesus Cristo é claro. Pois sem caridade, perdão, paciência e esperança num futuro melhor, não encontraremos felicidade em idade nenhuma.  Nos sentiremos realizados, seguindo os ensinamentos do nosso Mestre quando nos ensinou: ¨Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo¨ é a maior lição de vida que Jesus Cristo veio nos ensinar para sermos felizes na juventude ou na velhice. .

Muita Paz

Trecho inicial enviado por Maria Eloisa Ferreira

 Buscarmos a paz,  a liberdade  e felicidade plena,  é algo ingênuo.  Pois os valores do mundo em que vivemos, ainda  nos leva a fragilidade dos sentimentos. Mas trabalharmos a nossa reforma  íntima,  para alcançarmos  esses objetivos, faz parte da nossa tarefa, aqui nesse mundo de provas e expiações, isto é,  trabalhar pela nossa evolução.

¨Felicidade¨

 

Se resolvermos trabalhar uma só virtude, encontraremos dificuldades,  mesmo assim estaremos no caminho certo,  se nos empenharmos.   Buscar uma meta, é algo  que  nos trará felicidade.  A fé cega é imprudente e poderá  destruir o nosso progresso. Porém a fé raciocinada, nos dará suporte para nossas conquistas, para enterdermos a natureza da vida e os  seus desafios.

Assim raciocinando compreenderemos  que os acontecimentos sociais, tão comuns que existem entre nós, são  movidos por impulsos intuitivos,  nos orientando na nossa caminhada. O sentimento de união em uma crença é um estímulo ao crescimento do ser,para  que possamos   aceitar as decepções, e algumas recaídas em relação a fé.

Todos queremos ser livres e felizes, mas o amor pelo próximo  nos mostra que precisamos   uns dos outros,  para alcançarmos esse estado de liberdade e felicidade.

Muita Paz

Todos nós quando estamos encarnados, somos surpreendidos na nossa vida material por muitas dificuldades, sejam as que são originadas dos processos educativos que recebemos nesta reencarnação, sejam aquelas dívidas que trazemos  de existências anteriores.

Porém se observarmos as nossas dificuldades a maioria são criadas por nós mesmo, pois não sabemos lidar, com os  conflitos  que deparamos nesta nossa jornada. Como consequencia do passado trazemos muitas vezes, alguns comprometimentos com a nossa saúde, com o nosso temperamento etc..,   e nós não nos conformamos com a situação e abusamos das nossas próprias forças, e sofremos em consequencia de algo que poderíamos contornar e viver melhor.

Chegamos muitas vezes a esse mundo,  com uma agressividade exagerada, e  não nos esforçamos para nos controlar,  com isso estamos sempre expostos aos atritos e até mesmo a risco desastrosos. Todos nós desejamos   ternura e compreensão,  mas não temos paciência de conquistar esse objetivo, então partimos para a imcompreensão e o mau humor, passando a acreditar que não temos direito ao afeto dos nossos semelhantes.

Todos queremos paz, amor e felicidade, mas não queremos trabalhar para despertar dentro de nós esses sentimentos. Esperamos sempre que parta do outro,   e nesse momento esquecemos que a felicidade deve estar primeiro dentro de nós, para que possamos compartilhar esses momentos felizes com os nossos semelhantes.

Muita paz

A culpa é um sentimento obtido pelo sujeito após uma reavaliação de um comportamento passado e tido como reprovável pelo próprio, e que causa grandes sofrimentos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde apenas 1% da população mundial não sente culpa. Mas, infelizmente, este 1% diz respeito aos nossos irmãos sociopatas.  

Claro que esse sentimento é variável e subjetivo, muitas vezes nos sentimos responsáveis por culpas que não são nossas, exemplo: algumas pessoas sentem culpas de algo que fizeram ou que foram imputados a elas durante a infância. Assumirmos a responsabilidade dos nossos atos depende da compreensão que possuímos quando este foi praticado.

Por vivermos em sociedade, onde o remorso é um dos sentimentos que servem para garantir o respeito às regras sociais e morais, incorporamos esse processo comportamental de tal forma que nos sentimos responsáveis pela felicidade daqueles que nos cercam.

Deus, nosso Pai, nos deu através do livre-arbítrio a liberdade e a inteligência para distinguirmos o certo e o errado e esta faculdade nos dá a oportunidade de regularmos as nossas ações.

Uma pessoa fragilizada pela culpa não tem forças para amar a si mesma, como conseguirá amor ao seu próximo? E não conseguindo, sente-se culpada. Oras, só podemos salvar alguém que está se afogando se soubermos nadar, caso contrário vamos os dois morrer afogados. E, provavelmente, quem não conseguiu salvar e que não tinha outros meios para ajudar àquele que estava se afogando, possivelmente vai sentir culpa, mesmo por uma situação que não conseguiria resolver sozinho.

Joanna de Ângelis no livro Conflitos Existenciais, diz:

Que há uma culpa saudável! E que esse sentimento deve ser encarado com responsabilidade. Por que todos nós cometemos erros e alguns até graves.

E que o antídoto para a culpa é o auto perdão, e que a paz e a culpa podem conviver juntas, que ajuda no exercício da compreensão da própria fraqueza.

E principalmente que a coragem de pedir perdão e a capacidade de perdoar são dois mecanismos terapêuticos libertadores da culpa.

Muita Paz a todos!

ilzamaria@hotmail.com

O poeta Carlos Drumond de Andrade chamou a passagem para o ano novo de “O Milgre da Renovação”.

Ele diz:

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias a que se deu o ano?  Foi um individuo genial!

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para diante, vai ser diferente.

A nossa vontade de recomeçar é realmente grande; prometemos para nós mesmos de modificar o que não está nos fazendo feliz no momento.

Mas, meus irmãos, sabemos que não basta apenas desejar, precisamos trabalhar tal mudança dentro de nós, precisamos fazer o uso do nosso livre-arbítrio para conseguir nos modificarmos, lembrando das palavras de Jesus quando ele nos disse:

Ajuda-te e o céu te ajudará. Mateus Capitulo V vv. 17 – O Evangelho Segundo Espiritismo Cap. XV.  

Temos agora pela frente 365 novos dias, com novas oportunidades a cada dia.

Somente com a nossa fé e com a nossa perseverança, poderemos construir um Feliz Ano Novo.

Muita Paz a todos!

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Agosto 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores