You are currently browsing the tag archive for the ‘Compreensão’ tag.

¨  Amareis o Senhor vosso Deus de todo o vosso coração, de toda vossa alma e de todo vosso Espírito ¨  é o maior e o primeiro mandamento; e eis o segundo :  ¨Amareis vosso próximo como a vós mesmos. ¨ – Mateus, 22:34-40 . Fazei ao teu próximo tudo o que quereis que eles vos façam. Tratai  todos da mesma forma que quereis  que ele vos tratassem, Mateus 7:12 – Lucas 6:31

Perdoar sempre

Um homem apresentou-se ao rei  para pedir clemência pois não tinha condições de saudar sua dívida que era de dez mil talentos, e a solução dada pelo rei  foi a seguinte:  Venda sua mulher e seus filhos e tudo que tiver  e pague sua dívida. O devedor lançou-se aos seus pés  suplicando-lhe:

 – Tende um pouco de paciência  e eu lhe pagarei totalmente. o rei teve compaixão e isentou-lhe da dívida.  O homem mal tendo saído, encontrou um dos seus companheiros que também lhe era devedor, o tomou pela garganta e lhe disse: Paga o que me deve. O devedor lançou-se aos seus pés pedindo-lhe um pouco de tempo pois iria lhe pagar.

Mas o homem nem quis escutar, mandando-o prender até que pagasse o que lhe devia. Seus companheiros imediatamente foram contar ao rei o que viram,  O rei mandou que o homem fosse levado a sua presença e disse-lhe: Eu vos isentei do que me devias e tu não tiveste piedade do teu devedor?

Encolerizado o rei mandou entregar o homem aos carrascos, até que pagasse as suas dívidas. Com que direito podemos exigir dos nossos semelhantes  procedimentos de indulgência, caridade e benevolência se não praticarmos estas virtudes. Quando o ser humano tomar por norma de conduta,  o amor, o perdão,  isto é,  a verdadeira fraternidade, reinará   entre  os homens a paz e a justiça.    Nascerá a concórdia mútua e um mundo mais evoluido.

Muita Paz

Anúncios
 Qual é o significado da tristeza e como lidar com ela?
Na tristeza ficamos tristes.
Quando perdemos alguém.
Quando perdemos.
Quando as coisas não são como queríamos que fossem.
Quando as pessoas não são como queríamos que fossem.
Quando o mundo e a realidade não são o que queríamos que fossem.
Quando não somos o que gostaríamos de ser.
Quando não temos o que gostaríamos de ter.

Porém,
se nos lembrarmos
que as coisas são como são
que as pessoas são como são
que nós, o mundo e a realidade são o que são
e que podemos apreciar o que temos invés de lamentar o que não temos,
começamos a entrar no mundo da não dualidade.

Se houver sabedoria e compaixão perceberemos que a tristeza, mesmo profunda, é passageira.
Perceberemos que se as coisas, as pessoas, o mundo, a realidade e nós mesmos estamos num processo contínuo de transformação
Então poderemos pensar em nos tornarmos essa transformação que queremos no mundo.
Para que haja menos tristeza, mais alegria, mais compartilhamento e harmonia.

O  contentamento com a existência é um dos ensinamentos principais de Buda:

“a pessoa que conhece o contentamento é feliz, mesmo dormindo no chão duro; a pessoa que não conhece o contentamento é infeliz mesmo num palácio celestial.”

Então, quando sentimos tristeza, observamos a tristeza.
Como está nossa respiração?  Como estão os batimentos cardíacos?  Como está a nossa postura?  Que pensamentos são esses que me fazem deixar os ombros cair para frente, baixar a cabeça e, quem sabe, chorar?
Como se formam as lágrimas?
E, mesmo em meio a lágrimas, podemos sorrir e perceber que enquanto vivas criaturas temos esta experiência extraordinária e bela de poder ficar triste.
Tristeza que vem.
Tristeza que vai.
E sem se apegar a coisa alguma e sem sentir aversão a coisa alguma descobrimos o verdadeiro sentido da vida.
É assim que trabalhamos a tristeza.

Sentar-se, observar a si mesma.
Postura correta, alongamento da coluna vertebral, abrir o diafragma e respirar profundamente.  Inspiração mais curta, expiração mais longa.  Saboreando o ar.  Ombros alinhados e retos, postura de Buda.
Ensinamentos de sabedoria nos auxiliam a sair da toca, do casulo de separatividade que falsamente criamos e de nos lembrarmos que sempre há pessoas e situações piores do que a nossa, sempre há pessoas e situações melhores do que a nossa e nunca, nunca, perder a dignidade.
Tristeza boa é da saudade de alguém que logo poderemos rever.
Tristeza ruim é aquela que náo queremos deixar passar.  Aquela na qual nos agarramos, pois nos dá uma identidade, nos torna especiais.  Especialmente tristes. Comoventes, Vítimas a serem apiedadas e cuidadas.  Ah!  Quanta carência.

Abandonar a tristeza é abrir as mãos, o coração, a mente para a emoção seguinte. 
É lavar o rosto, olhar para a imensidão do céu, da Terra, do mar e perceber a pequenês da nossa vida.

Sem culpa e sem culpar ninguém.

Sinta a tristeza, reconheça, respire a tristeza e a deixe passar.

Mãos em prece
Monja Coen

 
Mensagem enviada por meu amigo:   Luiz Carlos Magaldi Filho

Fé Raciocinada

Segundo Mateus Jesus foi procurado por um homem dizendo que seu filho estava possesso e seus apóstolos nada puderam fazer. Então Jesus o curou,   seus discípulos vieram lhe perguntar,  porque eles não haviam conseguido curar o rapaz. E Jesus respondeu-lhes, que eles não tiveram fé, pois se tivessem uma fé do tamanho de um grão de mostarda teriam conseguido.

 Existem algumas interpretaçãos para essa expressão ¨transportar montanhas¨ Claro que Jesus não estava falando de arrancar uma montanha e transportá-la para outro lugar. Mas significa o que conseguimos, e que nos parece impossível, isto é a verdadeira fé .Existem dois tipos de fé como está explicado no ¨ O Evangelho Segundo Espiritismo ¨ que é a Fé cega e a Fé raciocinada.

A fé cega é a fanática, acredita que coisas impossíveis possam acontecer, aceitam  sem questionar, dependendo de quem afirme,  inclusive fatos impossíveis para a  natureza. Eles não questionam. O  indivíduo não consegue enxergar além, está sempre esperando um grande milagre, não importa o que aconteça, ele simplesmente  acredita . A fé raciocinada analisa, questiona antes de aceitar a idéia apresentada.

Ainda no Livro ¨O Evangelho Segundo o Espiritismo ¨ é ensinado que a fé não é prescrita, não é imposta por ninguém, a fé pode ser desenvolvida com entendimento.  O   importante não é  ver para crer, mas  é preciso compreender os fatos. Os temas do Estudo Espírita  são fundamentais para adquirirmos a fé. O Espiritsmo também não se considera o dono da verdade, como outros irmãos pertencentes a outras religiões.

 O avanço da humanidade não depende apenas dos espíritos encarnados, mas o trabalho dos desencarnados intuindo os encarnados trabalham para o bem geral. Porém o importante é entendermos  que a ¨Fé inabalável ¨ é aquela que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da humanidade. A Doutrina espírita foi preparada adequadamente por Espíritos Superiores que participaram da Codificação.

Muita Paz

Recebi esse texto do meu amigo Getúlio Profeta e achei muito esclarecdor para nós que muitas vezes não entendemos a revolta dos nossos irmãos mais necessitados que nós.

  Quando eu participava de um grupo em uma casa espírita, todos os meses doávamos alimentos para compor cestas básicas que eram distribuídas às famílias carentes da comunidade. A cada mês, um grupo se encarregava de trazer arroz, outro, feijão, e assim por diante, a fim de que se compusesse a cesta. Em determinado mês, coube ao meu grupo trazer café. Nada poderia ser mais simples: um quilo de café, não importava a marca. No entanto, a coordenadora nos alertou: “Combinem entre vocês para trazerem apenas café em pó ou café solúvel. Porque as pessoas reclamam que receberam de um tipo e as outras de outro. Então, melhor que seja tudo igual.” Por muito tempo, refleti sobre isso. As famílias eram carentes, recebiam cestas de alimentos que com certeza supriam suas necessidades imediatas. Então por que reclamavam? Afinal, não pagavam nada! Um dia, me caiu nas mãos um livro, intitulado “Trapeiros de Emaús”. Contava a história de uma comunidade iniciada por um padre, para pessoas que eram o que chamaríamos de “Sem Teto”. Um trecho me chamou a atenção. O padre contava suas experiências em caridade. Quando menino, ele costumava acompanhar seu pai que todos os meses,doava um dia de seu tempo para atender pessoas carentes. O pai era médico, mas como já havia quem atendesse às pessoas nesse setor, ele se dedicava a cortar cabelos, profissão que também exercera. O menino percebia que embora seu pai executasse seu serviço de graça e com amor, as pessoas reclamavam muito. Exigiam tal ou tal corte e às vezes quando iam embora, xingavam o pai porque não haviam gostado do corte. Mas o pai tinha uma paciência infinita, tentava atender ao que lhe pediam e jamais revidava as ofensas, chegando até mesmo a pedir desculpas, quando alguém não gostava do trabalho que ele realizara. Então, um dia, o menino perguntou ao pai por que ele agia assim. E porque as pessoas reclamavam de algo que recebiam de graça, que não teriam de outra forma.”Para essas pessoas, disse o pai, receber é muito difícil.. Elas se sentem humilhadas porque recebem sem dar nada em troca. Por isso elas reclamam, é uma maneira de manterem a autoestima, de deixar claro que ainda conservam a própria dignidade”. “É preciso saber dar, disse o pai. Dar de maneira que a pessoa que recebe não se sinta ferida em sua dignidade.” Depois li um livro de Brian Weiss em que ele contava que uma moça estava muito zangada com Deus. A mãe dela morrera, depois de vários anos de vida vegetativa, sendo cuidada pelos outros como um bebê indefeso. “Minha mãe sempre ajudou os outros, nunca quis receber nada, não merecia isso”, dizia ela. Então, ela recebeu uma mensagem dos Mestres: A doença de sua mãe foi uma bênção, ela passou a vida ajudando os outros, mas não sabia receber. Durante o tempo da doença, ela aprendeu. Isso era necessário para a sua evolução. Depois de ler esses dois livros, comecei a entender a atitude das pessoas que reclamavam do que recebiam nas cestas básicas. Comecei também a refletir sobre essa frágil e necessária ponte entre as pessoas que se chama “Dar e receber”. Quando ajudamos alguém em dificuldade, quando damos alguma coisa a alguém que a necessita, seja material ou “imaterial”, estamos teoricamente em posição de superioridade. Somos nós os doadores, isso nos faz bem e às vezes tendemos a não dar importância à maneira como essa ajuda é dada. Por outro lado, quando somos nós a receber, ou nos sentimos diminuídos, ou recebemos como se aquilo nos fosse devido. E quantas vezes fizemos dessa ponte uma via de mão única? Quantas vezes fomos apenas aquele que dá, aparentemente com generosidade, mas guardando lá no fundo nosso sentimento de superioridade sobre o outro? Ou esperando sua eterna gratidão. E recusamos orgulhosamente receber, porque? Não precisamos de nada, nem de ninguém?? Ou porque temos vergonha de mostrar nossa fragilidade, como se isso nos fizesse menores aos olhos dos outros. E quantas vezes fomos apenas aquele que tudo recebe, sem nada dar em troca, egoisticamente convencidos de nosso direito a isso? A Lei é “dar com liberalidade e receber com gratidão” ensina São Paulo. Que cada um de nós consiga entender as lições de “Dar e receber e agradeça” a Deus as oportunidades de aprendê-las.

Texto de Tania Vernet

Muita Paz

A maioria dos opositores do Espiritismo defende que a Bíblia é ipses literis a palavra de Deus. Portanto, todos os conteúdos contidos na Bíblia são verdadeiros, corretos e inquestionáveis, devendo ser seguidos fielmente. Inclusive, dizem algumas religiões, que os preceitos postos no Antigo Testamento são os que mais devem ser obedecidos religiosamente.

Em relação ao Espiritismo, em Deuteronômio 18, 10-11, é dito que a evocação aos mortos é uma prática proibida, pecaminosa; mentalmente, em primeira instância, vamos dar razão a esta passagem bíblica, afinal, como dizem, a Bíblia é literalmente a palavra de Deus e deve ser cumprida rigorosamente. Entretanto, convido-os a analisar as outras e seguintes passagens retiradas da Bíblia:

Gêneses 17, 9-11: Disse Deus a Abraão que todo Macho deveria ser circuncidado; e aquele que não fosse, será eliminado do seu povo; quebrou a aliança com Deus.

Êxodo 21,7: Se um homem vender sua filha para ser escrava, esta não lhe sairá forro, de graça.

Êxodo 21,12: Quem ferir a outro de morte, também será morto.

Êxodo 21,17: Quem amaldiçoar a seu pai ou sua mãe será morto.

Êxodo 21, 23 -25: Mas se houver dano grave a alguém, darás vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferimento por ferimento, golpe por golpe,

Êxodo 22,18: A feiticeira não deixará viver.

Êxodo 22,19: Quem tiver coito com animal será morto.

Êxodo 22, 20: Quem sacrificar algo aos deuses, e não somente ao Senhor, será destruído.

Êxodo 31,14: Quem não guardar o dia de sábado será morto.

Levítico 11, 7-8: Não comereis a carne de porco, pois é imunda.

Levítico 20,10: Se uma mulher parir um menino será imunda por sete dias, como nos dias da sua menstruação.

Levítico 20,10: Se um homem adulterar com a mulher do seu próximo será morto.

Levítico 20,13: Se um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, serão mortos.

Levítico 20,18: Se um homem se deitar com sua mulher no tempo da enfermidade, e lhe descobrir a nudez, ambos serão mortos.

Levítico 20,27: Homem ou mulher necromantes (feiticeiros) serão apedrejados até a morte.

Levítico 21,9: Se a filha de um sacerdote se desonra, profana seu pai e com fogo será queimada.

Levítico 21, 17-20: Nenhum dos seus descendentes que tiver algum defeito pode oferecer o pão do seu Deus. Cego, coxo, rosto mutilado ou desproporcionado, pé quebrado, mão quebrada, ou corcovado, ou anão, belida no olho, sarna ou impigens, ou testículo quebrado.

Deuteronômio 21, 15, 16: Se um homem tiver duas mulheres e as duas tiverem filhos, a herança poderá ser da amante, caso ela seja a mãe do seu primogênito.

Deuteronômio 21, 18-21: Se alguém tiver um filho rebelde, que não obedece a seus pais mesmo que seja castigado, deve ser entregue aos anciãos da cidade para que o apedrejem até a morte.

Deuteronômio 23,1: O homem que tiver trilhado os seus testículos ou cortado o pênis, não entrará na assembléia do Senhor.

Deuteronômio 24,1: Se um homem casar com uma mulher e ela não lhe for agradável ou ele achá-la indecente, ele pode lavrar um termo de divórcio.

 

As passagens transcritas anteriormente são apenas alguns exemplos. Na Bíblia podemos encontrar muitos mais exemplos. Com o advento de Jesus, os ensinamentos tornaram-se mais amenos, mais brandos, levando os cristãos atuais e praticantes de outras religiões a não mais praticarem as atrocidades proferidas no Antigo Testamento.

O mais importante é compreender que nem tudo que está profetizado na Bíblia é fruto da inspiração e da vontade de Deus. Na Bíblia, encontram-se opiniões diversas, de autores diversos e de tradutores diferentes, portanto, muitas das coisas escritas na Bíblia podem ser frutos de manifestações anímicas, etc.

Não queremos discutir aqui o real valor dos ensinamentos de Jesus contidos no Novo Testamento, mas, podemos afirmar que, no Novo Testamento, não há nenhuma passagem que Jesus condena a comunicabilidade com os mortos e nem a reencarnação.

Muita Paz a Todos!

ilzamaria@hotmail.com

 

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Dezembro 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores