You are currently browsing the tag archive for the ‘Chico Xavier’ tag.

A paciência é uma virtude, que diz respeito à capacidade de tolerar contrariedades, dissabores, dores, infelicidades, etc. com resignação. Ou seja, um sujeito resignado é aquele paciente às contrariedades da vida; é aquele sujeito, que com calma e tranquilidade, consegue atravessar todas das dificuldades da vida material ou, se não consegue todas, boa parte dos obstáculos são vencidos com sabedoria e paz. Ainda mais, a paciência é uma virtude de manter um controle emocional equilibrado, sem perder a calma, ao longo do tempo. Consiste basicamente de tolerância a erros ou fatos indesejados.

Não obstante, a paciência é uma virtude que só é conquistada com o transcorrer das eternas encarnações submetidas aos espíritos. A paciência, a paz, a tranquilidade, a serenidade, a quietude são valores espirituais que, definitivamente, só iremos conseguir através das provas e expiações experimentadas no decorrer da nossa evolução. Não é a toa que devemos, em primeira instância, agradecer a Deus pelas dificuldades que são colocadas para nós, afinal, tais dificuldades nada mais são do que aprendizados. Nada mais são do que “passaportes” para as bem-aventuranças, para as virtudes. No Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo IX, item 7, encontramos a seguinte passagem:

A dor é uma benção que Deus envia aos seus eleitos. Não vos aflijais, portanto, quando sofrerdes, mas, pelo contrário, bendizei a Deus todo poderoso, que vos marcou com a dor neste mundo, para a glória no céu.

Sede paciente, pois a paciência é também caridade, e deveis praticar a lei de caridade, ensinada pelo Cristo, enviado de Deus. A caridade que consiste em dar esmolas aos pobres é a mais fácil de todas. Mas há uma bem mais penosa, e conseqüentemente bem mais meritória, que é a de perdoar os que Deus colocou em nosso caminho para serem os instrumentos de nossos sofrimentos e submeterem à prova a nossa paciência.

A vida é difícil, bem o sei, constituindo-se de mil bagatelas que são como alfinetadas e acabam por nos ferir. Mas é necessário olhar para os deveres que nos são impostos, e para as consolações e compensações que obtemos, pois então veremos que as bênçãos são mais numerosas que as dores. O fardo parece mais leve quando olhamos para o alto, do que quando curvamos a fronte para a terra.

Coragem, amigos: o Cristo é o vosso modelo. Sofreu mais que qualquer um de vós, e nada tinham de que se acusar, enquanto tendes a expiar o vosso passado e de fortalecer-vos para o futuro. Sede, pois, paciente, sede cristãos: esta palavra resume tudo.

A paciência, portanto, é o amparo destinado aos nossos obstáculos! A paciência significa persistir sem cansaço e lutar para alcançar o triunfo definitivo pelo caminho do amor; diante das dificuldades, face aos infortúnios da nossa vida, perante as dolorosas passagens de nossa existência planetária, que precisamos resgatar, a paciência surge para nos acalmar, para nos consolar e nos esclarecer. O importante é não nos arrojarmos no desespero, afinal, todas situações que produza circunstâncias boas ou más, são transitórias pelo caminho da nossa existência. Tenhamos Paciência, seja qual for a dor que estejamos enfrentando! Confiemos em Deus e em sua Justiça! Tudo Passa!

 

Não há problema que não possa ser solucionado pela paciência. (Chico Xavier)

 

Muita paz a todos!

Anúncios

Olá, pessoal! Hoje quero divulgar o próximo filme espírita! Depois do sucesso de Chico Xavier e Nosso Lar, mais um filme nacional com temática espírita estar por vir. Trata-se do filme As Mães de Chico Xavier, com data já confirmada de estreia: 1º de abril de 2011. As Mães de Chico Xavier, de Luís Eduardo Girão, vai contar a história de três mulheres que, por causa dos filhos, vão buscar conforto junto ao médium. As vidas dessas mulheres se cruzam quando têm contato com o médium Chico Xavier, novamente interpretado por Nelson Xavier. Caio Blat, Neusa Borges, Herson Capri, Joelson Medeiros e Gabriel Pontes completam o elenco central. O longa é a adaptação do livro Por Trás do Véu de Isis, do jornalista e escritor Marcel Souto Maior e será uma das atrações da I Festival de Cinema Transcendental a se realizar em Brasília e em Fortaleza no final de março do próximo ano.

Diz a sinopse retirada do blog oficial do filme:

Três mães vêem sua realidade se transformar por completo… São elas: Ruth, cujo filho adolescente, Raul, enfrenta problemas com drogas; Elisa, que tenta suprir a ausência do marido dando total atenção ao filho, o pequeno Theo, e Lara, professora que enfrenta o dilema de uma gravidez não planejada. Essas três mulheres, vivendo momentos distintos de suas vidas, buscam conforto junto a Chico Xavier. E o repórter Karl permanece insistindo em entrevistar o médium, mesmo sem estar preparado para isso…

Vejam o trailer:

Visitem o blog oficial:

http://asmaesdechico.blogspot.com/

 

Confiram! 😉

 

 

Muita paz a todos!

O caminho do Evangelho

No rumo da Divina Luz,

Começa na Manjedoura

E vai ao topo da Cruz.

Não te doam neste mundo

As lágrimas de aflição,

Que o pranto lava os Caminhos

Traçados no coração.

Perdoa a mão criminosa

Que te fere e faz chorar

Pois alguém vela por ti

Nas Luzes do Eterno Lar.

Há muitas sendas na Terra,

No roteiro da ilusão,

Mas a estrada com Jesus

É santa renovação.

Agradece à Providência

O tempo vestido em flor

E louva o Senhor da vida

Nos dias de tua dor.

Nem todo o dia no mundo

Será de júbilo e mel,

Mas se buscas Jesus Cristo

Segue sempre e sê fiel.

Lembra-te irmão, no caminho,

Que o discípulo de escol

É aquele que, meio as sombras,

Revela o Divino Sol.

Se queres subir ao Alto

Toma zelo em não cair,

Constrói nas lutas de agora

As belezas do porvir.

Se  desejas a vitória

No combate contra o mal,

Vive, amigo, desde hoje,

A vida espiritual.

Aos grandes homens do mundo

Podemos  admirar,

Mas somente a Jesus Cristo

Devemos acompanhar.

Casimiro Cunha in Coletânea do Além, psicografado por Chico Xavier

Quinze minutos sem compromisso são quinze opções na construção do bem.

Quando tiveres um quarto de hora à disposição, reflete nos benefícios que podes espalhar.

Recorda o diálogo afetivo com que refaças o bom ânimo de algum familiar, dentro da própria casa; das palavras de paz e amor que o amigo  enfermo espero de tua presença; de auxiliar em alguma tarefa que te aguarde o esforço para a limpeza ou o reconfoto do próprio lar; da conversação edificante com uma criança desprotegida que te conduzirá para a frente as sugestões de boa vontade; deestender algum adubo à essaou aquela planta que se faz útil; e do encontro amistoso, em que a tua opinião generosa consiga favorecer a solução do problema de alguém.

Quinze minutos sem compromisso são quinza opções na construção do bem.

Não nos esqueçamos de que a floresta se levantou de sementes quase invisíveis, de que o rio se forma das fontes pequeninas e de que a luz do céu, em nós mesmo, começa de pequeninos raios de amor a se nos irradiarem o coração.

                                                                                                         Meimei (Chico Xavier).

Além da morte, além da sepultura,

Onde a ciência encontra a paz do nada,

Começa a luminosa e longa estrada

Que reconduz  à vida eterna e pura.

Na carne é o pesadelo, a noite escura,

A fantasia e a luz abandonada.

Na alma  liberta a santa  madrugada

Na alegria de nova semeadura.

Oh! viajores, no inverno dos caminhos.

Aves cansadas dos terrestres ninhos,

Vencei as dores para bendizê-las…

Aguardai a Divina primavera,

Que outra vida mais alta vos espera

Entre as rotas sublimes das estrelas!

                                            Antero de Quental

Chico Xavier pede licença

Havia um homem que se vestia de púrpura e de linho e que se tratava magnificamente todos os dias. Havia também um pobre chamado Lázaro, estendido à sua porta, todo coberto de úlceras, que quisera saciar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; mas ninguém lhas dava e os cães vinham lamber-lhe a ferida. Ora, aconteceu que esse pobre morreu e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão. O rico morreu também e teve o inferno por sepulcro.

E quando estava nos tormentos, levantou os olhos para o alto e viu ao longe Abraão e Lázaro no seu seio; e gritando disse estas palavras: ‘Pai Abraão, tende piedade de mim, e enviai-me Lázaro, a fim de que ele molhe a ponta de seu dedo na água para me refrescar a língua, porque sofro tormentos externos nesta chama’. Mas Abraão lhe respondeu: ‘Meu filho, lembrai-vos que haveis recebido vossos bens em vossa vida e Lázaro não teve senão males; por isso, ele está agora na consolação, e vós nos tormentos. Além disso, há para sempre um grande abismo entre nós e vós; de sorte que aqueles que querem passar daqui para vós não o podem, como ninguém também pode passar para aqui do lugar em que estais’ (Lucas, Cap. XVI, Vv. 19 a 26).

O rico lhe disse: ‘Eu vos suplico, pois, pai Abraão, enviá-lo à casa de meu pai, onde tenho cinco irmãos, a fim de que lhes ateste estas coisas, de modo que eles não venham também para este lugar de tormentos’. Abraão lhe replicou: ‘Eles têm Moisés e os profetas que os escutem’. ‘Não – disse ele – pai Abraão, mas se alguns dos mortos procurá-los, eles farão penitência’. Abraão lhe respondeu: Se eles não escutam Moisés e os profetas, não crerão mais do que neles, quando mesmo algum dos mortos ressuscitasse’ (Lucas, Cap. XVI, Vv.27 a 31).

Nas mais variadas encarnações que o espírito vivencia, poderá experimentar duas condições dicotômicas: rica ou pobre, de acordo com a sua vontade, merecimento e programação. Não obstante, a maneira como o espírito encarnado irá vivenciar uma condição ou outra, será definida pelo seu caráter e pelo exercício de seu livre-arbítrio.

Cada vez mais, assistirmos inúmeras lutas incessantes pelo poder, pelo enriquecimento financeiro, pela fama, etc. Paralelo a esta realidade, infelizmente, esquecemos que o que levamos conosco para a dimensão espiritual depois do nosso desencarne são apenas os reflexos das nossas boas ou más ações e atitudes que praticamos enquanto estávamos encarnados.

Nos versículos citados anteriormente, Jesus nos mostra que o rico, enquanto vivenciava na Terra a “prova da riqueza”, não conseguiu nenhum êxito diante aos olhos de Deus, pois não fez nada pelos seus irmãos mais necessitados, como o Lázaro; ao gozar de muitas riquezas, o rico tinha condições o suficiente para ajudar Lázaro, mas não o ajudou mesmo assim. Lázaro, por sua vez, conseguiu atravessar com glória a “prova da pobreza”, aceitando a sua miséria com resignação.

Evidentemente, não podemos afirmar que todo aquele que é rico é automaticamente mau e que todo aquele que é pobre é automaticamente um ser resignado, pois Deus não condena o dinheiro. De acordo com a interpretação da Doutrina Espírita, tanto a riqueza quanto a pobreza são “provas” dificílimas para todas as criaturas que as experimentá-las. Com respeito ao dinheiro, o que é reprovável para Deus é como o dinheiro será usado por aquele que o possuir; o rico será avarento? Ganancioso? Ou o rico conseguirá ajudar ao seu próximo? Não podemos esquecer que o que iremos plantar dependerá da nossa vontade, das nossas escolhas, mas a colheita é obrigatória, isto é, deveremos arcar com todas as consequências das nossas escolhas e das nossas atitudes.  

Meus irmãos, importante é ressaltar também que se estamos agora encarnados devemos aproveitar cada oportunidade que esta atual encarnação nos apresenta; oportunidade de renovação, de mudanças para ser cada vez melhor.

Outra questão importante a ser destacada é que nesta parábola, Jesus nos fala da comunicabilidade com os “mortos”. O homem rico não pediria para que Lázaro fosse falar com os seus irmãos se essa prática não fosse possível, pois a comunicabilidade com os “mortos” não é uma prática só nossa, isto é, a comunicabilidade não é tão somente uma prática dos últimos tempos.

Por último, deve-se deixar claro que Deus, segundo a compreensão espírita, não condenou o rico ao fogo eterno, pois ele na sua imensa bondade dará tantas outras oportunidades (encarnações) quantas forem necessárias para que ele possa alcançar a plenitude.

Muita paz a todos!

 

Referência: 

Obreiros da Vida Eterna, de André Luiz, psicografado por Chico Xavier , Cap. 8.

ilzamaria@hotmail.com

Espíritas amai-vos; espíritas instrui-vos.
Outubro 2017
S T Q Q S S D
« Maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 39 outros seguidores