A minha avó guardava ,

com alegria,

muitos pratos, lindíssimos,de louça

que ganhou de presente,

quando moça.

e que esperava usar – quem sabe? – um dia

Mas a vida passando tão insossa

e nada de importante acontecia

e ninguém pra jantar aparecia

que compensasse abrir

o guarda-louça.

Vovó morreu. Dos pratos coloridos

que hoje estão quebrados e perdidos

ela jamais usou sequer um.

Assim também meus sonhos,

tão guardados,

terão, por nunca serem realizados.

o mesmo fim dos pratos de vovó.

                                                                              Antonio Roberto Fernandes

Não deixai os seus sonhos guardados nas prateleiras de vossa alma. Lá eles ficaram esquecidos, abandonados cheios de poeira e lá também envelhecerão com o passar do tempo.

Assim sendo,  eis aqui um breve conselho: Viva os seus sonhos e as suas aspirações com todo o fervor do coração, festeje, compartilhe alegrias, construa conquistas. Viva! deixe aflorar o que há de mais latente e importante na vida – a felicidade sonhada e concretizada.