Sabemos que a morte é o fim da jornada de um espírito  no plano material, por mais sofrido que seja para aqueles que o amam, é uma lei da natureza. O  motivo não importa todos os seres passarão por esta mudança. Houve uma programação e esta foi cumprida de acordo com o plano espiritual.

A encarnação e a desencarnação é um projeto elaborado na hora da programação  com a finalidade de sua evolução espiritual. O espírito  escolhe sua reencarnação  e sabe que percorrerá vários caminhos, para evoluir através das provas e expiações.

Velório

Estes caminhos requerem tenacidade e persistência em situações difíceis. Mas os pais que perdem um filho tem dificuldades de encarar esta prova ou expiação pela lógica do Espiritismo.

A morte de um filho é um desafio a  sua fé em Deus, mesmo que esses pais sejam espíritas, o sofrimento é muito grande.  Sabemos que em todo planejamento reencarnatório, um dia voltaremos a pátria espiritual, pois o espírito precisa continuar seu desenvolvimento moral e intelectual para atingir a plenitude.

Os pais vão superando a dor, a saudade  dentro dos limites  da sua evolução espiritual, a conformação virá,  pois sabemos que a morte não existe.  A imortalidade da alma é um fato comprovado. No entanto cabe a cada um de nós escolher como conduzir esta dor.

Ainda somos imperfeitos e estamos muito ligados à matéria, Porém através da fé e do estudo da Doutrina Espírita, encontraremos forças para  superar o sofrimento  que aceitamos passar. Sabemos que já passamos e provavelmente passaremos outras vezes por este tipo de experiências.

O principal objetivo de Deus é que chegaremos à plenitude e só com a compreensão dos ensinos da doutrina encontraremos a verdade e a luz, isto é, fomos criados para o amor  e pelo amor de Deus nosso Pai.  Tenhamos fé pois este é o aprendizado da alma.

Muita Paz