Segundo Santo Agostinho, que foi um filosofo patrístico e que mais tarde foi um dos Espíritos que participou da Codificação Espírita, ao estudar a questão sobre o bem e o mal chegou a conclusão que o mal não existe de fato, mas que representa a ausência do bem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Com o espiritismo essa idéia de Santo Agostinho foi cada vez mais solidificada. Na questão 630 de ¨ O Livro dos Espíritos ¨ Kardec pergunta aos espíritos codificadores:   ¨ Como se pode distinguir o bem do mal ? ¨ Resposta: – O bem é tudo que é conforme a lei de Deus; o mal, tudo que lhe é contrário.

Fazer o bem é proceder com a lei de Deus, o mal quando eu escolho outros caminhos diferentes das leis Divinas. Deus nos deu o direito de usar o nosso livre arbítrio para o  bem ou para o mal dependendo do nosso progresso moral.

Dependendo da nossa evolução espiritual, ao usarmos o nosso livre arbítrio atraiamos espíritos que estão dispostos a nos ajudar seja em pensamentos ou atos, para o bem ou o mal.

Como poderemos saber que estamos praticando o bem ou o mal? Vamos encontrar esta resposta na pergunts 632 de  ¨ O Livro dos Espírititos ¨  – Jesus disse: vede o que queríeis que vos fizessem ou nãos vos fizessem. Tudo se resume nisso. Não vos enganareis. ¨

Muita Paz

 

Advertisements