O dia dois de novembro há mais de mil anos no mundo ocidental é dedicado a lembrança dos nossos entes queridos que já partiram para a pátria espiritual. O dia de finados é uma das mais antigas celebrações, diz-se que surgiu no oriente, criada por um abade no ano de 998.

A data foi criada para ajudar através de orações, todos os fiéis falecidos, principalmente os que ainda estavam no purgatório O dia de finados foi criado por este abade mais ou menos 400 anos depois do purgatório. No ocidente no século XIV, Roma aceitou esta celebração que se estendeu por toda Cristandade.

E o dia dois de novembro ficou sendo o dia oficial de orar pelos mortos, levar flores, acender velas, principalmente nos cemitérios. Há mais de cinquenta anos atrás, aqui  no Brasil, era um feriado diferente do que estamos acostmados. As emissoras de rádio interrompiam a programação normal e levava ao ar uma programação apropriada para este dia, na maioria músicas sacras, era um dia triste consagrado aos mortos.

A comemoração do dia dos mortos depende da cultura de cada povo. Não podemos negar que essa celebração possui uma riqueza espirital a ser aproveitada, além dos cultos religiosos e das orações, esse dia proporciona uma reflexão sobre a morte.

É uma data do calendário oficial  que mais se relaciona com o lado transcendental da nossa existência. Pois, a morte é o destino de todos os seres vivos. Somente o homem tem consciência da própria morte. E a partir dessa certeza nasce a angústia, o medo, e surgem as perguntas: De onde vim?  para onde vou após a minha morte?

Mas a humanidade sempre teve a intuição  que a morte não é o fim . Mas ainda assim preferimos não pensar na morte. Sabemos que ninguém morre por acaso e que qualqer que seja a duração da vida ela é completa. O espiritismo explica o traço de união entre o corpo e a alma, ele explica como acontece a transição dentro das leis da natureza.

Devemos falar na morte com naturalidade, considerando que faremos a mudança do plano material para o plano espiritual. Na pergunta 323   de ¨O Livro dos Espíritos ¨ Kardec pergunta a espiritualidade:  A visita de uma pessoa a um tumulo causa algum contentamento ao espírito  do que uma prece feita em casa? Resporta: Aquele que visita um tumulo, apenas manifesta  que pensa no espírito ausente e a prece santifica , não importa o lugar desde que a homenagem seja feita com  o coração.

Depende de cada um, se sentir vontade de ir ao túmulo vá, se não quiser ir faça uma prece em casa, onde o espírito estiver receberá as manifestaçõs de carinho.

Muita Paz

Anúncios