Aprendemos com o Espiritismo que os animais tem alma. Mas que sua permanência na erraticidade é rápida, pois não possuindo livre arbítrio, não tem resgate, portanto sua reencarnação é quase que imediata.

Li uma reportagem na RIE de dezembro de 2011 que demonstra o afeto que os nossos animais de estimação demonstram por nós,  mesmo após a sua desencarnação. Esse caso foi relatado na Revista Espírita de maio de 1865. Mika era uma cadelinha muito querida por uma família.

E depois de morta foi percebida por seus donos. O casal e sua filha durante alguns dias perceberam alguns sons e pisadas da cadelinha querida. As manisfestações evidente dos animais não são naturalmente conscientes como das criaturas humanas mas são produzidas por entidades espirituais que conduzem estes animais a seus donos.

¨A manifestação ocorre porém é passageira¨  O ser humano é que permance mais tempo na erraticidade, e em alguns casos procura a família com certa  frequência.  O pesquizador espírita Ernest Bozzanao, relata vários casos de espíritos de animais que são vistos e ouvidos por uma ou várias pessoas, aumentando a possibilidade desses fatos serem verdadeiros.

José Herculano Pires¨no livro ¨Mediunidade, vida e comunicação¨tem uma opinião interessante sobre esses fenômenos que vale também a  pena citarmos: A sobrevivência da forma animal confirma a teoria espírita a respeito,  enquanto a psicocinesia   revela a possibilidade de controle dessas formas  pelo poder mental dos espíritos. As manifestações  do espírito dos animais não são natruralmente conscientes com as criaturas humans  mas são produzidas por entidades espirituais interessadas nestas demonstrações , seja para incentivar o maior respeito pelos animais  na terra, seja por motivos científicos.

Muita Paz