Numa mañhã de  1860, Allan Kardec sentia-se  exausto e desanimado, diante de tantas críticas e perseguições. Sua esposa aproxima-se e entrega-lhe  uma encomenda que acabara de chegar, Kardec abre e encontra uma carta de um homem que lhe relata a sua história.

Numa noite em que estava aflito com sérios dramas pessoais, resolveu  suicidar-se, dirigiu-se a uma ponte sobre o rio Sena e ao apoiar-se  no pequeno muro sentiu que sua mão tocou algo que caiu ao solo. Tomou o objeto e dirigiu-se à claridade, percebeu que era um livro e pode ler: ¨Esta obra salvou-me a vida. Leia com atenção  e tenha bom proveito¨- Deus abençoe as almas que cooperram em sua publicação.

Era ¨O Livro dos Espíritos¨ acrescentou mais alguns comentários e acompanhando a carta estava o livro ricamente encadernado e na capa estavam as iniciais do seu pseudônimo.  ¨O Filme dos Espíritos¨ mostra uma cena que relembra este fato real,  ¨O Livro dos Espíritos ¨ salvando uma vida.

Quantos livros podemos esquecer em uma praça em uma estação de metrô, em um ponto de ônibus, ou aonde acharmos que alguém pode encontrar e ler. Além de presentearmos alguns amigos.  Divulgar a Doutrina Espírita é divulgar os ensinamentos de Jesus Cristo. Pois nós Espíritas somos Cristãos, e queremos  aprender e praticar os seus ensinamentos.  

Muita Paz

RIE

Anúncios