Na questão 401, de ¨O Livro dos Espíritos¨ Allan Kardec pergunta à espiritualidade: Durante o sono, a alma repousa com o corpo? – Não. O Espírito jamais fica inativo. Durante o sono, os liames que o unem ao corpo se afrouxam  e o corpo não necessita do Espírito. Então, ele percorre o espaço  e entra em relação mais direta com outros Espíritos.

É nesta hora que os nossos protetores, nos proporcionam o reencontro  com aqueles entes queridos  que nos precederam  a volta à pátria espiritual.

Na pergunta 402 Kardec pergunta;  Como podemos julgar  da liberdade do Espírito  durante o sono? – Pelos sonhos. Sabei  que, quando o corpo repousa, o |Espírito  dispõe de  de mais faculdades  que no estado de vigilia.  Tem a lembrança do passado  e ás vezes a previsão do futuro; adquire  mais poder e pode entrar em comunicação  com outros espíritos , seja deste mundo, seja de outro. Frequentemente dizes: ¨Tive um sonho bizarro, um sonho horrível, mas que não tem  nnhuma  verossimilhança¨ Engana-te. É quase sempre uma lembrança  de lugares e coisas que viste ou que verás numa outra existência ou em outra ocasião. O corpo estando adormecido, o Espírito  trata de quebrar  as suas cadeias para investigar no passado e no futuro. 

 

Está claro que esta é a visão da Doutrina Espírita, que não é compartilhada pela Psicologia, notadamente pela teoria freudiana que estabelece na “interpretação dos sonhos” algo que é explicado da seguinte maneira:

Temos desejos que estão nas profundidades do nosso inconsciente (Id) que não temos condições de admití-los, pois nosso eu (ego) não está estruturado para considerá-los verossímel. Ele diz também que temos uma estrutura de fiscalização, chamada superego, que de alguma maneira nos protege pelos aspectos morais, educacionais estabelecidos pelo meio onde a pessoa vive.

Para Freud, o sonho é um “escape” de algo do inconsciente que vem à tona como um “ato falho”, ou seja, uma expressão do desejo que vem ao consciente. Freud era materialista e, como todos os médicos e psicólogos materialistas, consideram que o pensamento é uma secreção do cérebro.

Apesar de considerarmos vários sonhos como preocupação do nosso cotidiano. Ficamos com a explicação da Doutrina espírita para a maioria dos nossos sonhos. 

Muita Paz