Um médico ateu convicto, perdeu seu neto querido, o jovenzinho costumava quase todos os dias tocar piano junto com seu avô. Eram momentos de alegria para os dois.

Mas um dia um acidente levou o menino para o plano espiritual, o sofrimento da família foi muito grande, especialmente do avô. Que depois de alguns dias encorajou-se e foi tocar piano.

E teve a nítida impressão que seu neto querido estava ao seu lado, e isso aconteceu muitas vezes. até que o médico decidiu, que embora tivesse essas percepções, isso não existia, e ele não iria acreditar, pois era ateu.

E não mais tocou o seu piano. Há pessoas que mesmo diante de fatos recusam-se a crer que existe algo depois da morte. Preferem garantir que não acreditam, que tem certeza, e não adianta tentar convencer a pessoa.  A vida de cada um é essencialmente sua, Cada um é livre para procurar seus caminhos.

Se as pessoas não conseguem acreditar em vida após a morte, em comunicação com espíritos encarnados, nem em reencarnação, esse é o seu limite. Cada um tem a hora certa de encontrar a verdade.

Não sabem quanta consolação pode ser encontrada, quando entendemos a Doutrina Espírita. Mas cada um tem o seu momento. E Deus não tem pressa, pois com certeza todos conhecerão a verdade.

Muita paz