Certa vez, um homem plantou uma roseira e passou a regá-la constantemente. Assim que ela soltou seu primeito botão, que em breve desabrocharia, o homem notou espinhos sobre o talo e pensou, consigo mesmo:  ¨Como pode uma flor tão bela vir de uma planta rodeada de espinhos? ¨

Entrestecido com o fato, ele se recusou a continuar  regando a roseira e, e antes mesmo de estar pronta para desabrochar, a rosa morreu. Isso acontece com muitos de nós com relação à nossa semeadura. Plantamos um sonho e, quando surgem as primeiras dificuldades, abandonamos a lavoura.

Fazemos planos de felicidade, desejamos colher flores perfumadas e, quando percebemos os desafios que se apresentam,logo desistimos e o nosso sonho não se realiza. Os espinhos são exatamente os desafios que se apresentam para que possamos superá-los.

Se encontramos pedras no caminho é para que aprendamos a retirá-las e, dessa forma, nossos músculos se tornem mais fortes.  Não há como chegar ao topo da montanha sem passar pelos obstáculos normais da caminhada. E o mérito está justamente na superação desses obstáculos.

O que geralmente ocorre é que não prestamos muita atenção na forma de realizar os nossos objetivos e, por isso, desistimos com facilidade e até justificamos o fracasso lançando a culpa em alguém ou em alguma coisa.

O importante é que tenhamos sempre em mente que se desejamos colher flores, temos que preparar o solo, selecionar as sementes, plantá-las, regá-las sistematicamente e, só depois colher.

Muita paz

Reflexão Espírita