Uma pobre mulher tinha dez dracmas. Era toda sua riqueza…

A dracma era uma moeda grega, que tinha valor também na terra de Jesus Cristo. Aquela pequena quantia estava destinada ao pagamento das suas despesas no lar.

Quando ela abriu o seu cofrezinho, só encontrou nove moedas. Para teria ido a que faltava?

Acendeu a candeia de barro e procurou-a em sua casa. Remexeu as roupas, arrastou a sua mobília, varreu toda a casa em busca da moeda perdida que tanto precisava.

Finalmente,   depois de muito procurar encontrou a sua dracma perdida.

Que alegria! Agora poderia pagar suas pequenas dividas… Não estava mais preocupada:  Achou sua moeda desaparecida e novamente a colocou junto das outras nove, na caixa de madeira.

Ficou tão contente   que contou o caso as suas vizinhas, também pobres, e para quem uma moeda fazia igualmente muita falta.

E dizia às suas vizinhas:

– Minhas amigas, alegrem-se comigo, porque achei a minha dracma que se havia perdido.

Assim também – diz Jesus no Evangelho – há muita alegria entre os anjos de Deus quando um pecador se arrepende dos erros cometidos.

Essa parábola também quer levar nossa alma ao arrependimento de nossas faltas, pois se a mulher ao perder sua moeda não descansou enquanto não a encontrou, também Deus , nos procura, sem cessar,  Deus também acende uma candeia e nos ilumina, pois nós somos suas dracmas, quando nos arrependemos sinceramente dos nossos erros .

Há então, muita alegria no céu, entre nossos Benfeitores Espirituais, porque nossas almas sairam da escuridão do errro. Aceitamos a luz da verdade e aceitamos os ensinamentos de deus.

Muita Paz a todos

Anúncios