Um homem  tinha dois filhos, que moravam no seu lar. Um dia, o mais novo disse ao seu pai:

– Pai, dá-me a parte da riqueza que me pertence.Eu desejo correr mundo, viajar por outras terras, conhecer novas pessoas…

O pai, diante desse pedido, repartiu com ambos os seus haveres, dando a cada um a parte que lhe cabia, da sua fortuna.

Alguns dias depois, o filho mais novo, partiu. Esse moço porém não era ajuizado, mal se viu longe casa, começou a gastar, sem cuidado o seu dinheiro. Consumiu toda sua fortuna em bebidas, e muitas diversões.Um dia, percebeu que seu dinheiro acabou e que estava na miséria.

Nessa época aconteceu uma seca no país em que ele estava, com a seca veio a fome. Havia dificuldades mesmo nos lares ricos. O rapaz contou sua história a um homem daquele país, pediu-lhe esmola  e pediu um emprego qualquer, mesmo que fosse o pior serviço. E o homem o enviou para seus campos a fim de cuidar dos seus porcos. Os porcos se alimentavam de alfarrobas, que são frutos de uma árvore, mas nem desses frutos lhe davam para comer, os porcos se alimentavam melhor que ele.

O moço começou a pensar  no que havia feito da sua vida, no que havia feito com seu pai. Refletiu muito os seus atos desrespeitando os mandamentos da lei de Deus  que era de ¨Honrar Pai e mãe¨ E resolveu voltar para casa, durante o regresso passou fome, frio, pois nada tinha para sobrevover,  mas estava arrependido.

Finalmente, chegou ao seu antigo lar,  não sabia como seria recebido por seu pai. Antes porém  de atingir a casa seu pai o avistou , e ficou compadecido de ver o filho naquela miséria. O seu coração, nunca tinha esquecido  o filho ingrato. O bondoso pai correu,  ao seu encontro , e abraçando-o fortemente, beijou-o com imenso carinho.

O filho ingrato, com lágrimas nos olhos disse ao pai:

– Meu pai, pequei contra o Céu e perante a ti. Não sou digno de ser chamado teu filho. Quero ser um empregado da tua casa… O pai feliz com a volta do filho, disse aos empregados da casa:

Tragam a melhor roupa para meu filho e preparem  uma refeição para ele, e também lhe tragam calçado novo. Comamos todos juntos porque meu filho estava perdido  e foi achado, estava morto e reviveu!  Os empregados atenderam imediatamente  e houve uma grande alegria no lar.

O filho mais velho, que não estava em casa, estava trabalhando no campo. Quando voltou e viu a casa em festa, chamou um dos empregados e perguntou o que era aquilo.

E o servo repondeu:

– Foi teu irmão que chegou. Teu pai de tão feliz, mandou que preparasse uma festa, pois ele voltou são e salvo. O filho mais velho cheio de ciúme, revoltou-se contra o pai e não quis entrar em casa. O pai o chamou, mas ele lhe respondeu:

– Meu pai, Há muitos anos te sirvo, sem nunca te desobedecer e nunca preparaste uma ceia para mim e meus amigos. Mas,  para meu irmão, que gastou teu dinheiro nas orgias, tu lhe preparas uma grande festa…

O pai querendo vencer a revolta do filho, desviá-lo do ciúme e incliná-lo a bondade e ao perdão, disse-lhe.

– Meu filho, tu estás sempre comigo e tudo que é meu é teu também. Mas, é justo que nos alegremos com a volta do teu irmão, que também é meu filho como tu. Ele estava perdido e foi achado. Estava morto e reviveu para o nosso lar.

Deus é bom e justo e sempre recebe os seus filhos arrependidos, claro que esse arrependimento deve ser verdadeiro. Assim o pai seguiu os ensinamentos de Deus, pois seu filho estava realmente arrependido.

Assim acontece com as almas que abandonam os caminhos retos de Deus. Sofrem muito pois quem se afasta  do dever, conhcerá  mais cedo ou mais tarde,  as dores do remorso e as tristezas da vida. O filho mais velho que era ciumento e orgulhoso não teve c ompaixão do irmão arrependido.

Deus nosso Pai, sempre nos ouvirá e virá ao nosso encontro, porque não há ninguém tão amoroso quanto Deus. Nem há quem nos ame tanto quanto ele.

Muita Paz 

 

Anúncios